Santiago no Chile: conhece neve e divirta-se no parque Farellones – Tudo que precisa saber antes de visitar


Santiago no Chile tem atraído cada vez mais turistas, especialmente vindos do Brasil, por ser um destino que permite o contato com a neve (que quase não existe aqui) e possuir um preço baixo para passagens aéreas, devido a sua proximidade geografica. Prova disso é que muitos estabelecimentos e agências de viagens no Chile estão se especializando em atender turistas brasileiros. O ponto alto da viagem a Santiago se o seu objetivo for conhecer a neve sem dúvida será as montanhas e parques de neve, sendo os dois mais famosos: Vale Nevado e o Farellones.

Caso você tenha reservado dois dias de sua viagem para ir até esses dois locais (Vale Nevado e Farellones), use um dia para cada local. Existem agencias de turismo que oferecem a opção de conhecer os dois no mesmo dia, mas não é aconselhado: você fica a maior parte da viagem (e do dia) dentro de uma van, numa estrada cheia de curvas, onde muita gente passa mal, e ainda sobra algumas poucas horas para explorar e tirar fotos de cada lugar. Se fizer essa loucura de ir para os dois parques no mesmo dia, terá foto nos dois parques, porém não terá experimentado várias experiencias que demandam tempo para conhecer de verdade cada um.

 

Sabe aquela historia de quando você volta de viagem e um amigo te pergunta se fez o passeio “A” ou conhecer algo e você percebe que não fez? Pois é, para evitar essa situação é que recomendo que dedique um dia para cada um ou então, caso só tenha um dia disponivel em sua programação, escolha um deles.

 

Vale Nevado ou Farellones: qual dos dois é melhor?

Resposta direta: depende! Varia de acordo com o perfil e objetivo da viagem. O mais famoso e maior deles é o Vale Nevado, que tambem é o mais distante (significa mais horas na van/estrada). Ele também é um parque com pistas de ski maiores, mais procurada por profissionais e quem conhece bem como esquiar. Já o parque Farellones é mais democrático: é mais perto (para ir até o Vale Nevado você obrigatoriamente passará pelo Farellones. Isso significa menos tempo de estrada e mais tempo para diversão) e possui algumas pistas de ski (suficientes para quem não pratica com frequencia, que é o caso da maior parte da população brasileira), e tem tambem algumas outras atrações como um teleferico, um escorrega numa boia gigante, entre outros.

 

Não há melhor ou pior. Se puder fazer os dois parques (em dias diferentes), faça sem duvida. Caso tenha que escolher apenas um, faça sua opção e divirta-se!




Farellones: como chegar

Nosso caso na viagem de 2017 foi por ficar em Farellones. O acesso não é dos mais faceis: não é possível ir de carro alugado ou metrô até as estações de esqui (tanto Farellones como Vale Nevado), pois é muito perigoso de carro (há a opção, mas além de ser uma estrada perigosa em alguns trechos, caso tenha neve na pista, terá que ter equipamento especial.. e saber usá-lo). Sabendo disso, contratamos um serviço de traslado com uma agência local. O guia passou as 7h30 no nosso hotel e já havíamos tomado café.

O guia avisa que serão várias curvas (60 para ser preciso) e quem passar mal, precisa avisar. A dica dele é fixar os olhos num ponto distante, para não ficar nauseado. São cerca de 40 curvas até Farelones e depois mais 20 até o Vale Nevado. A subida até as montanhas nevadas são cheias de curvas perigosas, com alguns trechos sem muro de proteção ou acostamento. Confeso que senti medo na subida e já comecei a temer pelo trajeto na descida. Por volta da curva número 30 já é possível ver as nuvens (um belo passeio para quem tem medo de altura, como eu!).

Farellones: quanto custa o ingresso

Para tirar fotografias não precisa pagar, mas caso queira aproveitar e entrar nos dois vales/parques, o preço varia de acordo com a época e dia do ano. Quando fui em setembro de 2017, a entrada no Vale Nevado custava cerca de 49.000 pesos chilenos por pessoa e no Farelones estava 20.000. Se quiser esquiar, é cobrado o aluguel de equipamento e uso da pista de ski por 90.000 pesos chilenos no Vale Nevado e 30.000 no Farelones (ambos já incluem o preço de entrada no parque).

Chegando ao parque Farelones o preço de entrada é de 20.000 por pessoa, que dá direito a todos os atrativos do parque (tirolesa, teleférico, “bóia cross” e pista de ski). Para ter 2 horas de aulas e preciso pagar mais 20.000 pesos chilenos (opcional). Há armários para locação por 4.000 pesos. Há banheiros e restaurantes e a vista é sensacional.




 

Farellones: equipamentos para esquiar

No meio da estrada que leva até os parques, há algumas opções para alugar roupa e equipamentos de ski. A roupa completa custa 30.000 pesos chilenos ou 8.000 por peça (caso você queira alugar apenas parte dela). Compensa pegar a roupa completa. O equipamento de ski custa 15.000 pesos chilenos e já inclui bota, bastão, luva e capacete. Eu pechinchei e consegui desconto – é só negociar!

Se não quiser esquiar, alugue pelo menos bota, calça e luvas, pois a neve molha os pés e pode queimar as mãos.

Se estiver na dúvida entre esquiar ou fazer snowboard, saiba que esquiar é considerado mais fácil e recomendado para principiantes como eu, que consigo cair mesmo estando parado.

Dica: é possível alugar equipamento diretamente no parque e compensa mais do que alugar na parada do KM4, que quase todas agências de turismo param (deve ser algum acordo comercial). Eu fui informado que o preço era mais barato no km4 e acabei fechando lá, descobri depois que fui enganado.

Fui no final de setembro e ainda tinha bastante neve. Para quem viaja para esquiar, há três pistas de ski, para todos os níveis. Não fiz aula e confesso que sofri mais para subir no teleférico do que pra descer nas pistas (não sou muito referencia, pois sou bem atrapalhado). Em quase 3 horas de esqui, cai apenas 2 vezes e não quebrei nada (só ralei um pouco minhas costas ao ser arrastado pelo teleférico). Mas nada que não tenha sido curado com alguns dias. Fui preparado para muito frio pois havia sofrido na Bolívia no Salar do Uyuni, mas fiquei somente com uma segunda pele e um casaco. Esquiar é um esporte e não podemos esquecer disso, portanto você transpira bastante (e cansa mais ainda).

 

O guia estava de volta às 16h para retornarmos a Santiago.

 

Dica: é bom levar remédio para enjôo, pois é bastante comum passar mal com a altitude e as várias curvas. Na descida vimos ainda duas raposas pelo caminho.

Essa foto é clichê, mas ficou legal (admite, vai).

Vale a pena: muito! Mesmo que não vá praticar ski, vale pelo visual e pelas atrações como “bóia cross”.

 

PLANEJE E RESOLVA SUA VIAGEM ONLINE COM OS MELHORES DESCONTOS

Comentários

Sobre Pedro

Apaixonado viajar e falar sobre viagem. De tanto que gosta do tema, resolvi fazer esse blog para contar sobre as viagens que fiz e as que estou planejando fazer. Fui a mais lugares do que já pensei que pudesse e a menos do que gostaria. Quando mais diferente a cultura, mais interessante fica a viagem. Além de “Disneymaníaco”, gosto especialmente de conhecer as mais diferentes culturas e pessoas.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.