Machu Picchu (Peru): roteiro completo – A viagem do casal Ivo e Dani


A (clássica e) sensacional foto de Machu Picchu

Roteiro para conhecer o Machu Picchu – Peru

Vamos viajar na viagem do Ivo Santos e Daniela Premiano, que viajaram para Machu Piccchu em abril de 2018 e compartilham algumas dicas e roteiro com os leitores do ViajaTerapia. Valeu Ivo e Dani 🙂

Este passeio eu fechei ele antes de tudo aqui no Brasil com uma agencia de turismo de Cusco por indicação de um amigo. Ele funciona da seguinte maneira: um motorista nos busca as 04h da manhã no hotel e nos leva até a cidade Ollantaytambo que tem uma estação de trem.

  • De: Hotel em Cusco
  • Para: Estação Ollantaytambo
  • Duração: 1h30
  • Cidade: Ollantaytambo

Pegamos o trem em Ollantaytambo até a estação de Machu Picchu que fica na cidade de Aguas Calientes.

  • De: Estação de Ollantaytambo
  • Para: Estação Machu Picchu
  • Duração: 1h30
  • Cidade: Aguas Calientes

Pegamos uma Van que nos levou de Aguas Calientes até o Machu Picchu.

  • De: Aguas Calientes
  • Para: Parque de Machu Picchu
  • Duração: 25 minutos
  • Cidade: Aguas Calientes

Quando chegamos em Muchu Picchu tinha um guia nos esperando para mostrar o parque. O ingresso tem um horário de “validade”, que indica ate que horas você pode permanecer no parque.

Dica: na entrado do parque existe um mirante que tem uma visão de toda Machu Picchu, então é a melhor parte. Aproveite e solicite ao seu guia para mostrar o ponto mais alto para ter esta visão (mesmo em grupo, não deixe de pedir).

O que não curtiu?
O guia que nos acompanhou falou muito sobre os seus ideias políticos e não conseguimos realizar uma segunda rodada pelo parque, pois há restrição de horário para permanência. Com isso, não conseguimos aproveitar muito do parque.




O que faria diferente em seu roteiro?

  • Teria contratada outra empresa.
  • A empresa Viajes Pacifico é um pouco mais cara, porem fornece almoço.
  • Teria pedido para pegar o trem para Machu Picchu mais cedo.
  • Teria avaliado a possibilidade de ter dormido em Aguas Calientes, pois o ingresso para o Parque Machu Picchu tem uma validade de horário (das 06h até a 12h ou das 13:h as 17h) e para ambos horários custa uns R$ 160. Então quanto mais cedo chegar melhor é pois:
    • Quantidade de pessoas, especialmente em alta temporada é em torno de 4 mil visitantes. Na baixa temporada é uma média de 2 mil;
    • Existe um percurso traçado dentro do parque com sentido único, ou seja, não pode retornar. Somente se tiver tempo e recomeçar tudo do início;
    • Você pode realizar este percurso ate duas vezes desde que o ingresso esteja valido (dentro do horário).

Onde comer na viagem a Machu Picchu
Na cidade de Aguas Calientes tem muitos restaurantes com diversos valores. Optamos por comer um lanche. O hotel que nos hospedou oferece o serviço de preparar uma lancheira caso você tenha algum passeio, contendo um pão com presunto e queijo, água, suco e uma maçã.

Quanto custa viajar a Machu Picchu
Este é o passeio mais caro: gastamos uma media de US$ 300 por pessoa. Na Agencia de Viajes Pacífico estava US$ 365.00, porem possui almoço incluso.

Dicas extras ao viajar para o Machu Pìcchu

  • Não compre lembrancinhas na cidade de Aguas Calientes.
  • Leve no mínimo uns 10 Soles (moeda local) para Machu Picchu, pois para usar o banheiro é cobrado 2 Soles por pessoa e por vez. Nem todos os locais e lojas aceitam cartão.
  • Utilize protetor solar, pois o calor é intenso.
  • Durante a viagem de Cusco até Aguas Calientes faz muito frio e como se trata de um horário que o sol não apareceu, é melhor levar blusa. Não esqueça Machu Picchu esta perto da Cordilheiras do Andes. Ao entardecer a temperatura sobe um pouco, especialmente com a caminhada pelo parque.

Mercado de Pisac e Fortaleza de Ollantaytambo
Para este passeio contratamos a empresa Viajes Pacífico. Para visitar o Valle Sagrado Inca iniciamos em Awanacancha, um local que é explicado e mostrado os camelídeos (animais típicos da região, onde é explicado as diferenças entre a Alpaca, Lhama, Vicunha, Guanaco) e lá tem estas espécies para tirar fotos. Mostrado como é feito o tecido de Lhama e tingido (muito interessante!), pois utiliza plantas para obter tonalidades diferentes de cores.
Paramos em meio uma estrada para tirar uma bela foto das cordilheiras e do Valle Sagrado, onde tem o rio Urubamba que é o rio que vira o rio Amazonas.
Paramos na cidade de Pisac que tem uma vila com muitas lojas para comprar lembrancinhas, artesanatos e o forno mais antigo da cidade.

Paramos em um hotel muito bonito para almoçar, um lindo local para fotos, com vários tipos de comida e a melhor parte: o almoço já está incluído no valor do passeio.
Saímos para cidade de Ollantaytambo (a mesma cidade onde pegamos o trem para ir a Machu Picchu) e conhecemos um parque arqueológico da cidade.




O que não curtiu?
Todos os Guias falam que na feira de Pisac os artesanatos e lembrancinhas são baratos, porém encontramos preços melhores no mercado central de Cusco

Onde e o que comer
Na cidade de Pisac é mostrado um forno lá tem Cuy e um pão parecido com uma empanada chilena. Super recomendado!

  • Quanto custa viajar para lá: passeio foi US$ 86 por casal.
  • Em artesanato e lembrancinhas foi uns R$ 60,00

Dica extra: se quiser comer o Cuy (porquinho da India) recomendo que coma algo antes de ir lá, pois eles mostram o bicho vivo e depois assado.

 

Confira tudo que já foi publicado sobre Peru clicando aqui.

 

PLANEJE E RESOLVA SUA VIAGEM ONLINE COM OS MELHORES DESCONTOS

Comentários

Sobre Pedro

Apaixonado viajar e falar sobre viagem. De tanto que gosta do tema, resolvi fazer esse blog para contar sobre as viagens que fiz e as que estou planejando fazer. Fui a mais lugares do que já pensei que pudesse e a menos do que gostaria. Quando mais diferente a cultura, mais interessante fica a viagem. Além de “Disneymaníaco”, gosto especialmente de conhecer as mais diferentes culturas e pessoas.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.